domingo, 21 de dezembro de 2008

Email enviado ao Secretário Regional do Ambiente pelo João Luís =)

«Álamo:

O RECURSO HÍDRICO do TERREIRO (com 800.000 anos) gera riqueza no campo metafísico (RELIGIÃO), tanto ou mais (muito mais ainda...), do que a pródiga dádiva no campo físico (SAÚDE), cada vez com mais guerreiros da luz, na comunidade mundial da orla costeira (TRIBO DO SOL).
É que, a Vaga, é filha do Vento e do Mar, neta do Sol e da lua.
E o Sol, é o nosso parente mais próximo de DEUS, porque DEUS é ENERGIA, nas suas múltiplas e infinitas formas de se manifestar (assim o dizem por diversas formas, todas as religiões).
Ao entrar na Vaga, o Humano (o Golfinho, a Gaivota, a Orca, a Foca também) agarra a sua alma (o seu conteúdo ENERGÉTICO, DIVINO) e devolve-a ao Sol e à Lua, em forma dum sentimento electromagnético : GRATIDÃO, perpétuando o ciclo de ENERGIA que provem do Cosmo e assim, deste modo, também a VAGA, nunca "morre" (para, acaba), simplesmente muda de dimensão (universo), como acontece a tudo e todos nós...
Agora relaxa o pensamento e vê as imagens, elas valem mais que mil palavras...é só clicar em cima dos links (as imagens foram seleccionadas especialmente para ti):
Amanhã ligo-te para o Ambiente.
Um ABRAÇO do João Pires dos Santos»

3 comentários:

COCOVAMA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rute Relampago disse...

Johnny,

fizeste bem em esclarecer os valores inerentes ao projecto do Terreiro...é importante lembrar o que existiu em tempos e que anda esquecido em prol de outros valores "menos valorizáveis" à sociedade que fazem seguir a destruição do nosso lar (leia-se planeta Terra) e muito mais!

beijo e boas ondas =)

dá-lhe agora!

Joaquim Soares disse...

Amigo João,

admiro a tua ousadia de pregar no "deserto" desta nossa sociedade enlouquecida e aos ouvidos de responsáveis que à muito deixaram de escutar o povo, e ainda mais, a voz da sua própria consciência coração - deixando assim de cumprir o seu dever.

Continua assim!

A tua alternativa para o Terreiro é algo que urge aproveitar.

Abraço,

Joaquim S.